Historico

Histórico - SEB

 

Em 1943, Segunda Guerra Mundial, Curitiba era uma pequena cidade, que não dispunha de muitas opções para tratamento especializado de saúde.  Também, não havia lugar para hospedagem de pessoas carentes que vinham à cidade em busca de assistência médica, sendo a casa de muitos pastores transformada em casa de apoio aos enfermos e seus familiares. Nesta época, o Dr. Parísio Cidade, médico e pastor da Igreja Presbiteriana em São Francisco do Sul, veio morar em Curitiba e sentiu-se desafiado a criar um hospital para atender pessoas necessitadas  do Paraná e de Santa Catarina, principalmente os irmãos na fé. “...desejei o Hospital como um trabalho da Igreja Presbiteriana, a cujo ministério sirvo há mais de um decênio, num tributo de gratidão e apreço a minha igreja”. Parísio Cidade.

Essa ideia contagiou pastores de diversas denominações e, com o coração cheio de fé, sete homens de Deus se reuniram com o objetivo de construir o Hospital Evangélico de Curitiba:

Daniel Lander Betts, Pr. James D. Cook, Pr. Ben Oliver, Pr. João Emílio Henck, Rev. Parísio Cidade, Rev. Alcides Nogueira e Pb. Augusto Klopfleisch;

Esta reunião histórica aconteceu no dia 25 de junho de 1943, quando foi criada a Sociedade Evangélica Beneficente de Curitiba (SEB) – pró Hospital Evangélico.

Achando, porém, que a obra do Bom Samaritano, grande inspiração do meu plano, não se prendia a um único grupo de fé, mas a um ideal de serviço sem cor partidária ou expressão denominacional, reuni os colegas, expus-lhes o meu plano e dessa mesa redonda surgiu, a serviço do próximo, no dia 25 de junho de 1943, a Sociedade Evangélica Beneficente – Pró Hospital Evangélico de Curitiba”. Parísio Cidade.

Desde o princípio, a Sociedade Evangélica foi o elo entre as diferentes denominações. Constituída a sociedade, partiu-se para a busca de um terreno e de recursos para a construção junto à comunidade. Deus moveu o coração de várias pessoas e as doações começaram a surgir de diversas fontes.

No final da década de 30, o dono de um cartório havia feito a doação de um terreno junto à prefeitura para a construção de um hospital na cidade. Mais de 20 anos se passaram sem que o terreno fosse ocupado. Quando a SEB pediu ajuda ao poder público para a construção do hospital, contou com o apoio do desembargador Clotário Portugal e recebeu do Prefeito Algacyr  Munhoz Maeder aquele terreno como doação.

 

EM 1947, A PEDRA FUNDAMENTAL

 

 

Após várias campanhas, em 1947 a Pedra Fundamental do Hospital Evangélico foi lançada, numa cerimônia ao ar livre.

Emanoel Teixeira Coelho assumiu a presidência da SEB em dezembro de 1948 e imediatamente propôs uma campanha para dar apoio ao Hospital Evangélico e fez um apelo para uma campanha de mil sócios para o ano de 1949. A partir daí, as campanhas continuaram a todo vapor, com a determinação e o empenho de muitos, mas principalmente do Reverendo Oswaldo Emrich.

O projeto de construção do Hospital Evangélico mobilizou a cidade inteira. Milhares de pessoas contribuíam mensalmente através de um carnê, cuja cobrança era feita por líderes das igrejas, casa a casa. No final de um determinado prazo, todos se reuniam em um evento festivo para prestar contas e estabelecer novas metas. Nesses encontros, enquanto os pais estavam reunidos, as crianças brincavam, surgindo ali grandes amizades e um profundo amor por esta causa.

Marlus Coelho, filho do Sr. Emanoel, lembra que a arrecadação de recursos era uma grande e divertida competição.

“Recordo que era uma grande disputa, era uma competição saudável que grupos disputavam quem arrecadava mais. Um era liderado pelo meu pai e o outro pela Sra. Olinta Palmquist. Eles iam às empresas existentes na época e pediam para que colaborassem com a realização de um sonho, construir um grande hospital. É gratificante saber que este esforço deu certo”.

Doações chegaram de longe. A classe médica também se uniu e levantou doações em dinheiro para a compra de mais um terreno anexo ao hospital, visando futuras ampliações. As mulheres tiveram um papel preponderante nesta fase de arrecadação, promovendo vários eventos sociais, culturais e recreativos em prol da construção do hospital Evangélico, além de visitas a autoridades e empresários para apresentação do projeto e arrecadação de doações.

O presbítero Augusto Klopfleisch, o casal Zilda e João Lukaszewski, o Pastor Oswaldo Emrich e muitos outros angariadores ajudaram a concretizar este sonho. Seria impossível saber o nome de todos, mas um carinhoso registro foi feito pelas mãos habilidosas da senhora Olinta Palmquist, que bordou uma toalha com o nome de 939 benfeitores. Esta toalha é usada até hoje nas reuniões do Conselho da SEB para relembrar daqueles que a tornaram realidade.

 

 

INAUGURAÇÃO DO HOSPITAL EVANGÉLICO

Finalmente chega o dia da Inauguração do Hospital Evangélico em 5 de setembro de 1959. Um grande acontecimento para toda a cidade, especialmente para a comunidade evangélica. O Hospital pode assim colocar em prática sua missão de atender aos menos favorecidos. O prefeito de Curitiba, na época,  Iberê de Matos, desceu do carro para participar da solenidade, mas seu dedo ficou trancado na porta. Foi atendido prontamente, sendo o primeiro paciente deste hospital.

O Dr. Daniel Egg foi o primeiro Diretor do Hospital Evangélico de Curitiba. Depoimentos sobre ele mostram que era um médico humanitário, praticante do cristianismo e que demonstrava sua fé através de suas obras. Tinha uma postura muito firme e levava consigo o ideal da medicina.

“... Este Hospital não tanto porque nascido do esforço de algumas pessoas filiadas às diversas igrejas Evangélicas da capital, mas sim principalmente porque inspirado nos incomparáveis princípios de amor ao próximo, ensinados nos Santos Evangelhos de Nosso Senho Jesus Cristo. O nome Evangélico define a sua primária, a sua origem no exemplo empolgante de Cristo, conquanto designado, também o elemento humano a causa instrumental que procura concretizar estes ideais cristãos em uma realidade objetiva, isto é, o hospital em construção no Bigorrilho”.

Palavras do reverendo Oswald Emrich ao jornal O Dia, em 24 de setembro de 1952.

 

 

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS

 

Em 1968 foi fundado o Centro de Educação Profissional na área de Saúde (CEPE)  para formar técnicos e auxiliares de enfermagem para suprir a demanda de profissionais capacitados para atuarem no hospital.

A ideia de formar profissionais, diante da força da qualidade do ensino oferecido, fez com que em 1969 nascesse a Faculdade Evangélica de Medicina do Paraná com o objetivo de formar médicos altamente preparados para a área da saúde.

 

 

 

AMPLIAÇÃO DO HOSPITAL

Logo após o início das aulas de medicina em 1969 constatou-se a necessidade de ampliação do hospital. Em 1970, no 11º aniversário do Hospital, foi lançada a pedra fundamental do novo prédio, um bloco em forma de pentágono, imediatamente acima do prédio já existente, passando de 150 para 450 o número de leitos.

 

 

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EVANGÉLICO DE CURITIBA

Com 54 anos de relevantes serviços prestados à comunidade paranaense, o Hospital Universitário Evangélico de Curitiba é o maior complexo hospitalar privado do Paraná, que atende anualmente mais de 1,5 milhão de pacientes, com 548 leitos, sendo 452 dedicados exclusivamente ao atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), e é referência no atendimento a vítimas de queimadura, ao trauma (urgência e emergência), gestação de alto risco, serviço de transplante renal, Alta Complexidade, Neurocirurgia, Cardiologia e referência no atendimento a mulheres vítimas de violência sexual.

 

 

FACULDADE EVANGÉLICA DO PARANÁ

No ano 2000, a Faculdade Evangélica do Paraná, agora sem a palavra medicina integrada ao seu nome, começou a ofertar cursos de Enfermagem, Fisioterapia, Nutrição, Psicologia, Teologia e Tecnologia em Gestão Ambiental, além do curso de Medicina. Agrega também especializações de lato sensu e stricto sensu.

Fundada há 44 anos, a instituição é voltada para formação e excelência na área de saúde, formando profissionais altamente qualificados. Sua docência é formada em sua maioria por mestres e doutores, o que a faz referência nacional em ensino na área da saúde. Os alunos realizam estágio exclusivo no Hospital Universitário Evangélico de Curitiba – HUEC, que oferece variado número de especializações.

Com uma ampla estrutura, a Faculdade Evangélica do Paraná conta com um total de 26 laboratórios que dão suporte a todos os cursos ofertados pela entidade. Dois deles são as Unidades de Saúde Animal do Campo Comprido e de Witmarsum, destinados às aulas práticas da Medicina Veterinária. Além disso, os alunos podem colocar em prática o aprendizado na sala de aula, com atendimento nas Clínicas Integradas.

 

 

A SOCIEDADE EVANGÉLICA BENEFICENTE DE CURITIBA HOJE

Presidida pelo Presbítero João Jaime Nunes Ferreira e representada pelas Igrejas Assembleia de Deus, Batista, Batista Independente, Congregacional, Evangelho Quadrangular, Luterana, Evangélica Menonita, Metodista, Presbiteriana do Brasil, Presbiteriana Conservadora e Presbiteriana Independente, a Sociedade Evangélica Beneficente de Curitiba completa sete décadas de conquistas, benemerência e benfeitorias à toda população que procura a entidade ou suas mantidas.

Nesses 70 anos de história da SEB, muitos pacientes, muitos nascimentos, muitas ampliações, muitos profissionais, muitos voluntários, muitas orações, muitas histórias de vida começaram e terminaram neste hospital.

Diversidade, respeito às diferenças e responsabilidade social, conceitos tão discutidos nos dias de hoje, já eram a preocupação e tem sido, nesses 70 anos, o dia a dia, na prática, de fazer o bem da SEB. Este incansável trabalho tem gerado muitos frutos e hoje a SEB tem o orgulho de ser mantenedora de um dos maiores centros de referência e pilares da saúde e da Educação do Estado do Paraná.

“Agradeço a Deus pelas inúmeras bênçãos que o Senhor nos tem concedido para administrar esta sua grandiosa obra. Nestes 70 anos de dedicação de todos os servos que já passaram por esta sociedade, muitas foram as provações, porém, com perseverança e acima de tudo fé em Deus, temos alcançado nosso maior objetivo: prestar assistência médica para melhorar a qualidade de vida das pessoas e formar profissionais de alta qualidade dentro dos princípios da fé Cristã. Fico honrado de fazer parte desta historia, e principalmente em poder contribuir e dar continuidade a esta obra, fruto do trabalho do povo de Deus e do amor para com o próximo”.

A Deus toda honra e toda glória.

Pb.  João Jaime Nunes Ferreira